Uma nova experiência artística!

 

O que acontece à aura quando uma pintura se torna acessível através de uma base de dados que virtualiza a visita ao museu?

É assombrosa a dimensão que as novas tecnologias adquiriram nos últimos tempos. Indispensáveis no nosso dia-a-dia, tornam possível o mais improvável dos acontecimentos. Exemplo disso é o Google Art Project. Lançada em Fevereiro de 2011,esta plataforma online permite a qualquer pessoa analisar virtualmente uma obra de arte e visualizar os demais museus e as suas colecções. Resultado da parceria entre a Google e 151 instituições de todo o mundo, que vão desde o The Metropolitan Museum of Art ao Palácio de Versailles, este projecto, que começou com apenas 1000 trabalhos e já atingiu os 32000 em apenas um ano, representa uma variação naquilo que é a apreciação de uma obra de arte. Com a ajuda da  Google Street View technology, é-nos proporcionada uma experiência virtual em alta definição. As funcionalidades apresentadas são muitas: compete-nos a nós escolher o museu que pretendemos visitar, as suas obras correspondentes, analisar ínfimos detalhes em alta resolução, recorrendo ao zoom, escutar guias em forma de áudio, visualizar vídeos no youtube do próprio museu e até organizar a nossa própria colecção de arte, a qual podemos partilhar com amigos. Aquando o aparecimento da plataforma temeu-se que as visitas a museus registassem um declínio, face a esta lufada de ar fresco. Pelo contrário. Ao que parece, após esta experiência virtual, os internautas ficam com mais vontade de visitar o museu e a respectiva obra no seu estado mais puro. Uma das questões que se levanta perante esta inovação é o que acontece à aura da peça. Sendo uma representação virtual, perde a mística que a pintura ou escultura apresentam, já que grande parte da experiência artística resulta da admiração in loco de determinada obra de arte. Apesar de permitir uma análise pormenorizada, recorrendo à tecnologia mais avançada, não deixa de ser uma experiência um tanto ou quanto impessoal, já que não temos a própria obra perante os nossos olhos, mas sim uma representação virtual. Por mais avançados que sejam os artifícios digitais, não conseguem providenciar ao espectador a verdadeira fruição artística, mas sim uma ilusão, ainda que muito próxima da real identidade da obra. Este projecto é muito interessante e revelador da evolução constante da tecnologia, na medida em que permite ao internauta ter total controlo sobre a sua visita e ao seu dispor as mais variadas ferramentas. Concluindo, representa uma mais-valia para a divulgação da arte, uma vez que incita as pessoas a conhecê-la de maneira pessoal e transmissível, suscitando nelas, quem sabe, a vontade de visitar os museus em carne e osso.

 

Bastidores do Google Art Project :

 

 

Vídeo que enumera  todas as funcionalidades desta plataforma :

 

 

Link para esta plataforma digital:

Google Art Project

 

Ana Filipa Leandro


Calendário

Abril 2012
M T W T F S S
« Mar   Maio »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Estatística

  • 524,910 hits

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.226 outros seguidores


%d bloggers like this: