Arquivo de 3 de Maio, 2012

the media effects upon us

In the latest of 1960s McLuhan, communication expert, standed out the subject about how we perceive the technology by publishing the book “The Medium is Message”. The value of technology is evaluated in one side by being formalized with how it is used with it traditional view, on the other side McLuhan expressed that the real content of the medium is itself. According to McLuhan the medium is an extent of the human being. It is shaped by the target message which is asked to be sent. For example, a story being expressed orally, being acted on the scene, being transfered from the radio and being exhibited on the television has different meanings upon the person who takes the message.
McLuhan theory is a kind of concept that supports how the communication of Global Village and communication means affect the status of humanity. This concept which was composed by McLuhan in the latest of 1960s was put forward to announce that communication means usage will spread swiftly and transform the world into a global village. McLuhan takes this process as a globalization positively. McLuhan supports the idea of that the new cooperation recreates the world with the Global Village image. With the invention of telegraph, McLuhan says, people have taken a step towards electronic age. For that matter, thanks to technology the senses of touch and hearing of people have come again into prominence with communication. Along with innovation of press, books have become something that can be carried; so everybody has begun to have book and there has improved a culture of reading individually. Traditionally, codexes being read with so many people at the same time could hold together people; on the other hand the books being carried and able to copied easily have helped to come individualism into prominence. People have parted company and the communication has weakened.
However, by the electronic age and new media there happens its total opposite. To him, oral tradition composes again with electronic media. Especially, with the internet age and the improvement of social network services, anything may come about at the same time in different places. Also improving of internet and web has provided that the culture differences of countries and people disappear.
I think that McLuhan’s Global Village is refinding its own soul with internet and web stream in such a world that everybody is wearing the same brands clothes and drinking the same brand beverages. The world has become a big village that everybody can learn everything at the same time. E-mails being forwarded, web sites links and interactive blogs have replaced with sources of traditional mass media.
In electronic age human being with the new media is evolving extensively and transforming the knowledge system tending that there is no mystery inside. Lastly, as McLuhan says , everything is changing swiftly and people should improve new ways of coping skills habit.

Pınar EMRE

Anúncios

O Aqui e Agora da Reprodutibilidade

A evolução tecnológica trouxe-nos a capacidade de reprodução. Passámos da litografia à fotografia e da fotografia ao vídeo. Tentámos sempre conseguir captar fielmente o aqui e agora de uma qualquer altura para que o possamos reproduzir mais tarde… Para relembrar ou conhecer algo do passado. Mas a verdade é que não estamos propriamente a ver aquilo que realmente aconteceu. Falta-nos sempre o contexto, o aqui, o agora… Há uma quantidade de coisas que temos de ter em conta e que, mesmo assim, é complicado imaginarmos que estamos naquele momento.

A questão do audio é ainda mais evidente: muitas composições antigas foram criadas para serem apresentadas num contexto próprio e actualmente podemos ouvir reproduções em qualquer lado. Perde-se a aura. A ideia de estar, por exemplo, numa catedral a ouvir uma composição preparada especialmente para aquele dia e aquela hora não pode ser comparada ao ouvir essa mesma composição num iPod ou mp3 enquanto vamos a caminhar na rua. O aqui e agora da composição original desapareceu e criou-se um aqui e agora novo… Mas apesar disso, a reprodutibilidade é necessária! Sem esta capacidade de reprodução grandes obras musicais se tinham perdido ao longo dos séculos…

Já na pintura a questão já é mais complicada. Se por um lado ao reproduzirmos uma imagem estamos a colocá-la ao alcance de todos por outro estamos a afastar as pessoas da obra original. Muitas obras de pintura foram “banalizadas” e é possível encontrar em qualquer casa um quadro “igual” a uma grande obra. Dois grandes exemplos são a “Última Ceia” e o “Menino da Lágrima”. A maior parte da população que tem uma reprodução de uma destas obras em casa desconhece onde e quando foi pintada e, por vezes, quem a pintou. Sabem apenas que é uma obra de arte e que podemos adquiri-la facilmente.

Este tema levanta-me uma questão: se ao reproduzirmos e ao retirarmos a obra do lugar inicial estamos a retirar a aura, serão os museus a melhor solução para a preservação das obras? Não estou a colocar em causa que nos museus as obras estão seguras e são cuidadas para evitar qualquer dano… A minha questão prende-se com a ideia de ir a uma sala ver várias obras sem relação entre elas e o meio. Não faltará qualquer coisa?

Filipa Traqueia

De que forma a reprodutibilidade técnica altera a natureza e a função social da obra de arte?

A “obra de arte” perdeu parte da sua identidade quando se descobriu a “técnica da reprodutibilidade” da mesma. Ou seja, deixou de ser um exemplar “único” e passou a “uma” num milhão, perdendo assim a sua “autenticidade”. Desde então alterou por completo o seu conceito de “natureza” e “função social”, consequentemente, reflectindo-se nas artes em geral.

Virando me para a “natureza” da arte, como já fiz referência anteriormente, visto que perdeu a sua “autenticidade”, passou a ser “massificadamente” reproduzida, em alguns casos como o celebre quadro da “Mona Lisa”, a “Última Ceia”, ou então o “Menino da Lágrima”. Como tal, o benéfico é que a obra do artista e o seu mérito ficam conhecidos, ou não, dependendo do caso, se a obra tiver sucesso como as mencionados em cima, sim. Por consequência, se a obra ficar massificada torna-se vulgar, e por vezes perde o seu valor e importância, pois como se torna comum deixamos de a apreciar.

Quanto à sua função social, deixou de ser apenas vista e apreciada por uma elite, passando a ser “olhada” por muitos. Quero com isto dizer que agora é possível ver arte em qualquer lugar, basta ter um dispositivo electrónico com ligação à Internet. Bom exemplo disso é sem dúvida o “Google Art”. Através desta plataforma, que mudou a maneira de se ver arte, podemos visualizar inúmeras obras de arte, dos mais variados e conceituados museus a nível mundial.

É desta forma que a reprodutibilidade técnica altera a” natureza” e a “função social” da dita obra de arte. Visto que já não é necessário a deslocação e gasto monetário para se ver uma obra de arte. Esta deixou de ser só “palpável à vista”, agora é também “visível à distância de um clique”.

Francisca Luís Pereira


Calendário

Maio 2012
S T Q Q S S D
« Abr   Jun »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Estatística

  • 821.566 hits

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.227 outros seguidores

Anúncios