Extensão limitada

Um homem ao entrar em casa, sente-se só, se não estiver acompanhado de alguém; até que liga o computador e à medida que o computador inicia e transmite sons, o homem sente-se mais seguro, e como que por magia, o sentimento de solidão desaparece. O corpo e a mente ligam-se à rede virtual e ambos estendem-se para um mundo delimitado por um ecrã que abre um portal para um novo tipo de interacção, a qual o homem considera de humanamente credível. Os abraços, beijos, contactos físicos, são substituídos por notificações e mensagens electrónicas, e assim o homem sente alguma coisa. O homem vê e é visto, e este mesmo homem pode moldar a sua imagem vista pelos outros de um modo não intencional, numa inconsciência perversa escondida pela comodidade que os administradores do site oferecem gratuitamente. O homem, neste mundo tão grande, pode ser, dentro de uma comunidade, uma autoridade, um criador, sem que saia do sítio, em qualquer lugar. O homem, parecendo que não, tem uma vida fora de casa, e fala para as pessoas, mas custa-lhe crer que se sente incompleto sem que esteja por perto do seu computador ou dos seus aparelhos de comunicação, porque assim mostra ser a pessoa que realmente é, e disso, ele tem bastante receio, por isso a razão de tornar o seu quotidiano algo instantâneo e improvável para que não seja revelada o seu lado humano a qualquer pessoa ou objecto. E o homem quanto mais se afasta dos outros, mais próximo sente-se da electricidade que lhe permite ser o que ele quer, quando quer, como quer; e assim é que o homem é verdadeiramente feliz.

Pedro Vaz


Calendário

Maio 2014
M T W T F S S
« Abr   Jun »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Estatística

  • 524,910 hits

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.226 outros seguidores


%d bloggers like this: