Arquivo de 3 de Maio, 2015

Ditados de McLuhan

Os 3 tópicos assinalados por Marshall McLuhan na sua obra “Understanding Media: The Extensions of Man” , apresentam-se para mim um ótimo de tema de exploração e discussão.

understanding-media_ic

Iniciemos assim pela citação de que “O meio é a mensagem”, no sentido mais simplificado, esta admite que a existência do meio em si converge numa modificação da sociedade. Ora tal é visível e facilmente demarcado nos nossos dias, já que podemos concluir claramente que a existência e aparecimento de um novo meio em si, é só por si factor de significativas mudanças, dependo igualmente do meio a que nos referimos. Esta situação poderá ser observada desde o inicio da história dos media, já que os meios ( na maioria dos casos ) afirmam-se primeiramente pela sua existência o que se traduz numa modificação dos hábitos do ser humano.
No que toca à segunda premissa de McLuhan, consiste em cada vez mais ou média serem extensões do corpo humano, quase como uma figuração do “Inspector Gadget” e de todos os seus utensílios. Cada vez mais os media nos são colocados desse modo, como poderemos exemplificar que o telefone é uma extensão da voz, na medida em que a projecta e refracta por milhares de quilómetros. Ainda como exemplo, poderemos falar da escrita digital. Desde a invenção da máquina de escrever que se assistiu a uma diminuição de elementos escritos à mão, essa influência duplicou com a existência dos computadores, e até mesmo de smartphones, tablet… sendo que apesar de continuarem a ser as nossas mãos que escrevem, estas já não o fazem de um modo direto mas através de intermédio de um objecto.

inspector-gadget

Cada vez mais podemos observar a implicação e relação física do ser humano com os media ou com objetos tecnologicos, sendo que podemos dar como exemplo o iPhone 5S onde o ato de desbloquear a tela inicial é produzido através do reconhecimento da impressão digital do proprietário. Esta situação por exemplo vem criar uma interdependência mutua entre ser humano e o media, acabando por traduzir este último como uma extensão daquilo que naturalmente o homem já possuí, sendo assim,este pode ampliar-se.

   O último tópico referido por McLuhan consiste na diferenciação entre meios quentes e meios frios, sendo que está é efetivada através da relação “ definição”, “participação”. Podemos-nos assim referir a meio quente como um canal de comunicação de alta definição que requer baixa participação e/ou se centra predominantemente num estímulo sensorial, sendo que ele dá como exemplos a fotografia, a imprensa, a rádio, ou seja, não há qualquer intervenção do Homem no meio. Já por meio frio, McLuhan refere como canal de comunicação de baixa definição que requer grande participação e/ou combina diferentes estímulos sensoriais, exemplificando: o telefone, a fala… Contudo é neste último conjunto, que McLuhan insere a televisão, sendo que atualmente ( e devido à publicação ser da década de 60 ) já se efetivaram mudanças no próprio meio, sendo que a televisão poder ser inserida tanto nos meios quentes ( séries, filmes … ) como nos meios frios ( realityshows, programas em direto).

Em modo de conclusão gostaria igualmente de referir que na caracterização da história dos média, McLuhan enumera a atual como a Era Eletrónica, e refere um facto que a mim me parece de especial importância, já que defende que se assiste a um “declínio do pensamento lógico e linear”, sendo que a meu ver tal situação se deve essencialmente ao facto de cada vez mais termos os meios a “pensar” e “trabalhar” por nós, lá está, como extensões do nosso corpo, onde instintivamente acabamos por os substituir em detrimento dos nossos sentidos naturais.

Francisca Cruz

Anúncios

O Meio é a Mensagem

O Meio é a mensagem, McLuhan argumenta que as tecnologias não são apenas que as pessoas utilizam, mas são os meios pelos quais as pessoas são reinventadas.

O meio transporta consigo a mensagem que causa um impacto global na sociedade, nas práticas e nos padrões de pensamento. A mensagem é o que causa mudança na sociedade e por sua vez o meio é a mensagem, pois sem o meio não existiria mensagem e concessivamente mudança. O meio afeta a sociedade em que ele desempenha um papel e não pelo conteúdo fornecido por ele mas pelas características do mesmo.

A exemplo da eletricidade o conteúdo da mesma é fornecer luz, iluminação no entanto a sua essência e mensagem real sustem algo mais complexo do que simplesmente iluminar, que teve e tem impacto na nossa sociedade e que veio permitir a evolução social, sem eletricidade (a base da sociedade tecnológica) a sociedade não estaria tão evoluída. A velocidade instantânea da eletricidade compreende a simultâneo a evolução digital, a evolução meios de comunicação e a evolução dos meios de transporte, a mensagem não passa pelo conteúdo mas sim pelas ligações que são possíveis através do uso d conteúdo sendo a mensagem real do meio e o meio em si o impacto exercido na sociedade.

O principal argumento McLuhan elaborado em “O Meio é a Mensagem” é de que as tecnologias exercem uma força de mudança sobre o conhecimento e as práticas vigentes (da sociedade em que estão inseridas) o que por sua vez afeta a organização social: mudança nos nossos hábitos o que tem repercussões nas interações sociais.

A tecnologia contribui e tornou possível a maioria das tendências mais marcantes como o individualismo, o capitalismo, a democracia, o nacionalismo, … A mensagem do meio produz novas formas de pensamento que vem a influenciar a nossa sociedade, sendo esta uma sociedade tecnológica.

earthlights2_dmsp_big

Daniela Lages Fernandes


Calendário

Maio 2015
S T Q Q S S D
« Abr   Jun »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Estatística

  • 768,513 hits

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.227 outros seguidores

Anúncios