Revolução com apenas um clique

É notável, que nos dias de hoje, não conseguimos sobreviver sem a ajuda dos novos média. A globalização nos tornou tão próximos, todos conectados. Uma ideia pode espalhar-se por continentes em alguns instantes com apenas um clique de distancia. É uma necessidade que nos possibilita uma existência de “omnipresença”. Estar online é estar por dentro do que acontece e é estar disponível a tudo e a todos.

Partindo do princípio de que já aceitamos e tomamos conhecimento da enorme importância das ferramentas de mídia e da tecnologia voltada para a conexão e comunicação da sociedade, e portanto, já temos na cabeça o significado desses meios, é interessante que se abra um discurso sobre suas vantagens no meio sócio-politico.

É de conhecimento geral o que aconteceu em 2011 com os países Árabes, com a Primavera Árabe, o “cyber-movimento” que tomou proporções tão imensas a ponto de derrubar ditadores de longa data no oriente. Como exemplo da força que os movimentos propagados pela internet tem politicamente, segue-se também as Revoltas no Brasil em 2013 e todos os movimentos decorrentes nos EUA a favor dos direitos humanos, tanto na luta contra o racismo, a homofobia e o machismo, que vêm acontecendo recentemente.

Gostaria de destacar que não importa quem, se um indivíduo tem uma ideia e esta ideia pode ser de interesse de um certo grupo de pessoas.. é tudo o que é preciso. Publicar algo na internet pode ser irreversível. Os idealizadores podem ser impedidos, mas a ideia nunca morre. Criar um evento no Facebook pode, e já conseguiu, juntar mais de 1 milhão de pessoas para protestar nas ruas contra um governo corrupto. Isto é apenas o povo se aproveitando da inserção da internet no cotidiano.

Portanto, se formos discutir sobre se a Internet está de fato, dando poder ou apenas censurando os cidadãos, como é debatido no vídeo ” The Internet in Society: Empowering or Censoring Citizens”, eu me encontro a defender a ideia de que a internet nos trouxe poder e uma forma ilimitada de difundir ideias. E se o argumento de que o governo poderia utilizar a internet para achar as cabeças por trás das ideias revolucionárias e dos protestantes, eu rebato explicando que: apenas as mentes são mortais, mas ideias nunca morrem.

 

Clara Motta

 


Calendário

Fevereiro 2015
M T W T F S S
« Jun   Mar »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  

Estatística

  • 526,607 hits

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.226 outros seguidores


%d bloggers like this: