Archive for the 'Música Digital' Category

Princípio da Variabilidade

Na obra The Language of New Media, Lev Manovich, um crítico de cinema e professor universitário que se debruçou sobre as áreas dos novos média, média digitais, design e estudos de software, propõe uma teoria dos novos média digitais que assenta em cinco princípios: a representação numérica, modularidade, automação, variabilidade e transcodificação cultural.

Focando-nos apenas no quarto princípio (variabilidade), é possível concluir que este conceito remete para as inúmeras versões que um objeto digital pode adquirir. Este princípio está estreitamente ligado ao princípio da representação numérica (os objetos digitais são compostos por códigos que podem ser descritos matematicamente, isto é, as unidades ou elementos são quantificáveis (código binário de 0s e 1s), e podem ser manipulados por algoritmos) e ao princípio da modularidade (os objetos digitais, sejam eles imagens, sons ou outras plataformas, têm na sua propriedade estrutural diferentes níveis ou «camadas» e são compostos por partes independentes que, por sua vez, são compostas por partes independentes de tamanho menor e assim sucessivamente, até chegar à unidade mais reduzida como o pixel, no caso de uma imagem). Estes dois princípios «alimentam» o conceito de variabilidade visto que, através deles, é possível criar um número potencialmente infinito de versões de um objeto digital. A manipulação destes objetos digitais pode adquirir duas formas: automática, quando é realizada por um algoritmo programado, ou humana, na medida em que parte da ação e vontade do próprio utilizador.

Observemos agora o princípio da variabilidade aplicado a diversos softwares:

1) Microsoft Word

Sem Títuxadsa

Neste software, o princípio da variabilidade é bastante simples de detetar. Basta escolher uma palavra e modificar o tipo de letra ou a cor, colocar em negrito ou itálico, aumentar ou diminuir o tamanho da letra, sublinhar… Através destes mecanismos (já automatizados pelo próprio software), podemos criar inúmeras versões visuais da mesma palavra, neste caso, a partir da manipulação humana.

2) Editor de imagem Pixrl

jkjkkllo

Com este editor de imagem, é fácil obter uma versão diferente da mesma fotografia através da aplicação de um efeito. Os programadores tornaram este processo automático, isto é, basta apenas um clique (selecionando o efeito pretendido) para criar uma imagem diferente. Contraste, luminosidade, brilho ou cor são alguns dos elementos manipuláveis através destes softwares de imagem. A todas estas funcionalidades corresponde um algoritmo/código diferente.

3) Editor de vídeo Wondershare

Sem Tíddtulo

Tal como o editor de imagem, este software é muito semelhante, utilizando o mesmo método de edição. É possível acelerar ou diminuir a velocidade do vídeo, aplicar um efeito de cor, introduzir subtítulos ou adicionar efeitos visuais, por exemplo.

 4) Editor de som Audacity

Sem Títddulo

Este software de edição de som permite modificar, por exemplo, uma melodia tornando-a mais aguda ou mais grave, ou até aumentando a sua velocidade. Estes são apenas alguns dos exemplos que podem contribuir para criar várias versões da mesma peça musical. Podemos ainda adicionar batidas ou acordes para «reinventar» o mesmo som.

 5) Jogo Online Adventure Quest

sssss

Este é um exemplo dos muitos jogos onde é possível criar um avatar personalizado. O jogador pode escolher toda a aparência física da personagem: formato e cor do cabelo, cor dos olhos, cor da pele, vestuário, calçado… Tal como acontece com todos os softwares anteriores, cada alteração/efeito/versão apresenta um algoritmo matemático programável e «invisível».

Assim, o princípio da variabilidade é, possivelmente, o mais «visível» ao olho humano, visto que percecionamos as inúmeras alterações e versões que são feitas na estrutura visual do objeto digital. Apesar disso, não observamos como são feitas essas alterações, isto é, não temos acesso direto aos códigos e algoritmos. Esse acesso seria, no entanto, inútil, visto que são necessários conhecimentos matemáticos e tecnológicos para conseguir programa-los. O software funciona, então, como «máscara» de todos estes processos digitais.

 Diogo Martins

Fonógrafo: A representação da necessidade humana

O fonógrafo foi um ponto crucial no mundo sonoro. O fonógrafo, mudou completamente o mundo, a partir do momento em que apareceu, tudo isto devido ao facto de ser o primeiro aparelho a poder gravar e reproduzir sons. Embora, nos dias de hoje, o fonógrafo tenha quase sido deixado de usar, sendo que algumas pessoas ainda usufruem deste, o fonógrafo foi a primeira pedra para tudo que hoje nos é disponível a nível de reprodução e gravação de sons.

A invenção do fonógrafo por Edison foi o ponto culminante de uma série de inventos que primeiro tentaram realizar a tarefa de gravar de forma mecânica em algum meio as vibrações sonoras. Um cone acústico era utilizado para captar o som e fazer vibrar um diafragma localizado no final do cone; com a vibração do diafragma uma agulha gravava marcas em um cilindro que representavam as ondas sonoras propagando-se no ar.

Este aparelho na minha opinião, tendo em conta que trabalho na área da música, foi se calhar a invenção mais importante nesta área, tal como na área da rádio, comunicação e comercialização, pois permitiu coisas tais como: a gravação de músicas, a facilidade de poder ouvir estas sem necessitar de contratar uma banda, a possibilidade de transportar estas, e ouvi-las em locais diferentes, a possibilidade de levar música às classes mais pobres, o transporte de cultura entre populações, ajudou no apelo ao consumo, produtor de mensagens sendo a projecção de emoções humanas através de uma máquina.

Concluindo, acho que podemos chamar a este objecto a representação da necessidade humana, pois neste momento, e tendo em conta a situação do nosso planeta, acho que o mundo não funcionaria sem esta criação que aproximou o emissor do receptor.

Tiago Marques

 

https://d19tqk5t6qcjac.cloudfront.net/i/412.html

https://d19tqk5t6qcjac.cloudfront.net/i/412.html

Variabilidade: Uma cultura miscível

Na sua obra principal, “The Language of New Media”, Lev Manovich explica-nos a importância da variabilidade como um dos cinco princípios essenciais para entender os média digitais. Variabilidade é o princípio da “remixabilidade”, da recombinação – princípio segundo o qual podemos tornar qualquer conteúdo variável.

“Verdes Anos” de Carlos Paredes foi editada , primeiramente, em 1989 no LP “Asas Sobre o Mundo”. Ao longo dos tempos foi reeditada até assumir, nos dias de hoje, o formato mp3. Este formato digital como um objeto de novos media não é fixo, mas sim algo que pode existir em diferentes versões.

Manovich defende que apropriação de uma obra criada por terceiros torna-se válida a partir do momento em que se reinventa a intenção do autor primário. O que Stereossauro nos propõe é que os tempos são feitos de mudança. Aqui a mudança surge na musicalidade transversal da guitarra portuguesa de Paredes, que facilmente se funde com beats contemporâneos. Para além da viagem temporal, somos levados numa melodia caminhante desde a calçada íngreme de Coimbra até a um bairro nova-iorquino. O princípio da variabilidade exemplifica como, historicamente, as mudanças nos média tecnológicos são correlacionadas com a mudança social.

Concluindo, a versão “Verdes Anos” de Stereossauro é um exemplo da transição dos costumes – a ponte entre a música tradicional conimbricense que ocupava o quotidiano dos amantes de fado e os dias de hoje, onde o hip-hop se assume como uma vanguarda em Portugal.  Adicionalmente, na sociedade industrial de massa todos deveriam apreciar os mesmos bens e ter as mesmas crenças. Na sociedade pós-industrial, todo cidadão constrói seu próprio estilo de vida e “seleciona” a sua ideologia entre diversas escolhas.

Eduardo Duarte

¿Naturaleza del arte?

Abordar un tema como es la reproductibilidad en muchos casos se hace difícil, cuando empecé a pensar de qué trataría mi blog sobre este tema me di cuenta que encontrar un tema sobre el que hablar se me estaba haciendo complicado. Pues bien, creo que he encontrado un ejemplo que ilustra y refleja perfectamente como las nuevas tecnologías pueden ambientar otro tipo de artes, deslocalizar ambientes reales o hechos por la mano del hombre, a ser meros “hologramas” o imágenes digitales hechas por una máquina, en este caso, a través del software de un ordenador y a través de un panel de luces (leds). Hablamos de los nuevos escenarios que se están haciendo para las actuaciones de ópera.

Algo tan sencillo como unos decorados hechos con cartón piedra han evolucionado convirtiéndose en un arte más complejo, mucho más espectacular e innovador, haciendo así que la gente vuelva a ver el atractivo de ver un espectáculo en vivo, y porqué no, mezclado con medios tecnológicos que hacen que sea mucho más impactante.

En este caso podríamos dudar de la naturaleza de este arte, hasta podríamos hablar de la hibridez entre un arte artesanal como es la música, en este caso el canto y esa modificación hacia lo tecnológico que es la iluminación y la escenografía, ¿Hablaríamos de que se perdió el aura? Yo creo que en este caso el aura está en el momento que estamos viendo el espectáculo, aún habiendo muchos aspectos tecnológicos en este tipo de eventos considero que cada actuación es distinta.

¿Tiene el aquí y el ahora del arte? Por supuesto que si, ya que es una actuación en directo, aunque haya planificación y preparación previa.

Por lo que aquí podemos ver un caso híbrido, lleno de incógnitas y preguntas a medias resueltas y un caso en el que el medio tecnológico de la reproductibilidad complementa un medio artesanal y esto es lo que nos hace dudar de su naturaleza.

Nuria Atanes Bouzón.

Soft(and-also-complex-and-sovereign-and-forgettable)ware

Quando é que nós nos lembramos da complexidade existente em todas as formas de software que usamos no nosso dia-a-dia? Quando é que nós perdemos tempo a pensar nisso?
A verdade é que, a não ser que seja um dos nossos interesses/hobbies ou que esse assunto tome algum tipo de papel na nossa vida profissional, provavelmente pensaremos nisso uma vez por ano (se tanto!) e é quando o nosso computador tem alguma avaria.
Para nós é um dado adquirido que, ao escrevermos um texto para postar no nosso blog ao fim do dia, quando carregarmos na tecla “E” apareça um “E” no ecrã; bem como ao editar uma foto, ao querer fazer crop, tomamos como certa a resposta depois de clicar no ícone que tem o desenho de uma tesoura; ou o simples scroll que fazemos com o rato… Esperamos sempre uma resposta imediata e faze-mo-lo de forma mecânica até, esquecendo todos os passos e procedimentos estabelecidos previamente pelo software.

O software permite-nos escrever um texto legível e com uma fonte bonita, mesmo que a nossa letra pareça hieróglifos; permite-nos fazer uma ilustração da Mona Lisa, mesmo que o nosso traço pareça mais um Picasso de 72 do que um Leonardo da Vinci; permite-nos parecer modelos numa foto* mesmo que na vida real a nossa única hipótese fosse na categoria XXL… e de preferência na Disneyland onde nos põem uma máscara; permite-nos compôr música e criar samples ainda que a nossa noção de pautas e notas e tempos seja nula; permite-nos visualizar a rua Y no país X, ainda que nem nos levantemos da nossa cadeira, na nossa casa na rua D, no país B; e por aí fora…

O software tornou-se o nosso melhor amigo. Uma segunda parte do nosso cérebro, uma parte mais eficiente. O software tornou-se uma parte de nós.

Arrisco até dizer que, nos dias que correm, haveria gente que não o seria sem softwares.

Lígia Breda Melo


* opção unicamente disponível aquando os 30 dias de trial do Photoshop ou ilimitada mediante a aquisição de um bom key cracker.

Transcodificação e música

Gravar registros sonoros atualmente ganhou demasiada proporção, tanto quanto subverteu de certo modo a expectativa e exigência por uma qualidade – o que não significa um mau negócio, mas talvez um exercício de seleção auditiva, ou de quebra de conceitos auditivos tradicionalmente impostos – sonora e estética rebuscadamente exigida desde algumas décadas atrás. Os dispositivos tecnológicos de captação e reprodução de áudio passaram por acelerados e bem sucedidos processos de modernização no decorrer do último século, assim como a difusão ao acesso desses meios às grandes massas. Hoje apenas com uma compacta interface de áudio conectada a um computador pode-se fazer produções que há algum tempo atrás somente grandes gravadoras com músicos seletos conseguiam, hoje um disco pode ser produzido com um controlador MIDI, alguns softwares no computador ou mesmo no tablet, e claro, um mínimo de conhecimento.

Em 2010 a banda pop Gorilas lançou o álbum “The Fall”,  gravado durante uma turnê, utilizando apenas aplicativos em um iPad. Esses softwares simulam ou combinam sons de instrumentos convencionais com outros sintetizados e virtuais. Segundo Lev Manovich este é o princípio da transcodificação, que, para as mídias atuais, significa traduzir algo para outro formato. Essas tecnologias também propulsionam a produção musical independente, o que implica na respectiva industrialização de tais meios de produção musical, tomando a camada computacional e a cultural, descritas por Manovich como uma maneira diferente de prática musical a ser analisada a partir de um prisma diferente do tradicional.

Tal transcodificação, possibilitada pela representação numérica em descrever objetos e manipula-los algoritimamente, torna a difusão e mutação desses meios dinâmica e acelerada para produções musicais, proporcionando com tal, infinitas possibilidades de se construir novos conceitos sonoros a partir de experiências não convencionais, e, em muitos casos, apenas intuitivamente. Se por um lado pode parecer banal, pode resultar por outro, em uma diversidade de ideias, conceitos e práticas ainda a serem exploradas de modo a convencer de sua importância.

Sidney Góes

O Aqui e Agora da Reprodutibilidade

A evolução tecnológica trouxe-nos a capacidade de reprodução. Passámos da litografia à fotografia e da fotografia ao vídeo. Tentámos sempre conseguir captar fielmente o aqui e agora de uma qualquer altura para que o possamos reproduzir mais tarde… Para relembrar ou conhecer algo do passado. Mas a verdade é que não estamos propriamente a ver aquilo que realmente aconteceu. Falta-nos sempre o contexto, o aqui, o agora… Há uma quantidade de coisas que temos de ter em conta e que, mesmo assim, é complicado imaginarmos que estamos naquele momento.

A questão do audio é ainda mais evidente: muitas composições antigas foram criadas para serem apresentadas num contexto próprio e actualmente podemos ouvir reproduções em qualquer lado. Perde-se a aura. A ideia de estar, por exemplo, numa catedral a ouvir uma composição preparada especialmente para aquele dia e aquela hora não pode ser comparada ao ouvir essa mesma composição num iPod ou mp3 enquanto vamos a caminhar na rua. O aqui e agora da composição original desapareceu e criou-se um aqui e agora novo… Mas apesar disso, a reprodutibilidade é necessária! Sem esta capacidade de reprodução grandes obras musicais se tinham perdido ao longo dos séculos…

Já na pintura a questão já é mais complicada. Se por um lado ao reproduzirmos uma imagem estamos a colocá-la ao alcance de todos por outro estamos a afastar as pessoas da obra original. Muitas obras de pintura foram “banalizadas” e é possível encontrar em qualquer casa um quadro “igual” a uma grande obra. Dois grandes exemplos são a “Última Ceia” e o “Menino da Lágrima”. A maior parte da população que tem uma reprodução de uma destas obras em casa desconhece onde e quando foi pintada e, por vezes, quem a pintou. Sabem apenas que é uma obra de arte e que podemos adquiri-la facilmente.

Este tema levanta-me uma questão: se ao reproduzirmos e ao retirarmos a obra do lugar inicial estamos a retirar a aura, serão os museus a melhor solução para a preservação das obras? Não estou a colocar em causa que nos museus as obras estão seguras e são cuidadas para evitar qualquer dano… A minha questão prende-se com a ideia de ir a uma sala ver várias obras sem relação entre elas e o meio. Não faltará qualquer coisa?

Filipa Traqueia

Aura perdida

Podemos dizer que a aura é tudo aquilo que nos envolve, a nós e a tudo o resto que conhecemos e interagimos. A aura não é mais nem menos do que a nossa essência. Sendo assim a aura de todos as obras de arte, sejam quadros, manuscritos, poemas, livros, etc, toda essa aura acaba por ser perdida, por vezes no espaço, por vezes no tempo.

Acho muitíssimo bem que toda a gente possa ter acesso a todo o tipo de obras de arte já existentes, sejam do séc.XIX ou do séc.XXI, é de louvar a facilidade que toda a gente tem no que toca a alargar o seu conhecimento e a matar a sua curiosidade, desde sites de museus, de exposições, de concertos, de eventos de música, pintura, escultura, arquitectura até catálogos e livros onnline, mesmo não tendo oportunidades financeiras ou outras para o fazer, toda a gente pode ver a “Mona Lisa” de Da Vinci ou o quadro “Guernica”  de Plabo Picasso.

Toda esta informação, todo este conhecimento a que podemos ter acesso através de um click, é quase “falso”, na medida em que se tratam de cópias. Estas reproduções de obras originais nunca têm a aura que a verdadeira obra de arte tem na totalidade. Podemos ler um livro de Fernando Pessoa mas não podemos cheirar as folhas a novo, podemos ver uma escultura de Ron Mueck mas não podemos ver como quem vê quando a está a olhar de frente, não conseguimos sentir, na maior parte das vezes, aquilo que o autor da obra sentiu e quis transmitir quando a executou,  por exemplo o realismo de umas das esculturas de Mueck ou toda a genialidade das obras de Pessoa.

Com isto, podemos concluir é claro, que a reprodutibilidade técnica altera a natureza e a função social da obra de arte. Tendo toda a gente acesso a todo o tipo de obras de arte, toda a gente pode criar também as suas próprias obras de arte ou até reproduções de obras de arte já existentes, porque afinal, tudo é considerado arte, se é de qualidade ou não, se tem valor ou não, isso é com cada um, isso é com cada autor e com a aura que inserem na sua obra de arte. Sendo assim, a arte expande-se pelo mundo mas também perde imenso valor – já não é vista com os mesmos olhos, tornou-se comercial, deixou de ser natural, de ser própria e, essencialmente, deixou de ser genuína.

Soraia Lima

McLuhan y Radiohead

El aislamiento absoluto de los individuos dentro de una sociedad altamente evolucionada tecnológicamente es imposible. O sea, que en la medida en que el adelanto científico disminuye, la posibilidad de privacidad total de los individuos disminuye por la creación de una Aldea Global. Es decir, la idea de que indudablemente todos están interconectados por la tecnología y que las distancias son cada día más una metáfora en lugar de una realidad física.

Las teorías de Marshall MacLuhan tiene que ser estudiadas en un pequeño contexto espacio-temporal, sin prejuicios y teniendo siempre presente a la época en la que fueron pensadas. Uno de los ejemplos modernos para comprender la idea del medio ser lo mensaje dice que el iPod sustituyó a la música como mensaje. Ejemplo, que encuentro absurdo. Es totalmente irrisoria la idea de que ya no importa lo que se escucha, sino cómo se escucha.  En la gran mayoría de casos el medio actúa como un anexo del mensaje, una forma de complementar el simplemente facilitar el acceso a la información que se desea transmitir. Sin embargo, existen un par de ocasiones puntuales en las que el medio demostró ser más relevante del mensaje. Por ejemplo, con el disco “In Rainbows” de Radiohead, que fue en una primera instancia distribuido exclusivamente por internet y con el precio oscilando entre los cero dólares hasta el infinito, pues confiaban en el criterio de los consumidores para determinar cuánto valía la obra que iban a descargar. Durante un par de meses, toda la discusión en torno al disco estuvo protagonizada no por su calidad musical, sino por la manera en la que fue distribuido.

Otro ejemplo de la vida real ocurriría cuando un autor revelándose en contra del perverso mundo editorial decide hacer y publicar su novela por la internet con la contribución de los lectores. Estoy hablando de “The Mongoliad, una novela 2.0 de Neal Stephenson. Dicha novela atrapó la atención de la prensa especializada ya que es el primer -o por lo menos más famoso- intento de hacer una novela interactiva por la internet y con una historia amoldada por los usuarios, como se fuera la Wikipedia de la literatura moderna. Este es un caso muy obvio de cuando el medio es más importante que al mensaje. Nadie habla de la trama, de los personajes, ni del contenido de la obra (el mensaje); hablan de la manera en como está a ser hecha y publicada, hablan de su medio.

Entendiendo a la internet como la realización del término Aldea Global, ¿qué decir entonces de las personas que simplemente no tiene acceso a la internet?. Por ejemplo, de acuerdo cifras facilitadas por Microsoft, 70 millones de mexicanos no tienen acceso a internet. Sólo cerca de 30 millones de personas tienen internet en México. La basta mayoría de las personas se quedan excluidas de esa comunidad, que ni es una Aldea y que no es Global, como acabamos de demostrar. Es cómo pretender que el Miss Universo sea de hecho universal; De cualquier forma, no hay participantes extraterrestres. De la misma manera en que el hecho de existir personas fuera de la aldea, excluye la posibilidad de que sea global.

Por último, un video que realmente no tiene nada que ver con este artículo pero que de cierta manera compensa por la tardanza con la que fue publicado:

– Mauricio Andrés Gomes Porras.

Software: Condicionante das Práticas Artísticas

De que forma o software, isto é, a camada computacional da tecnologia digital condiciona as práticas sociais, culturais e artísticas?

A tecnologia digital presente nos computadores e noutras formas de média hoje em dia é considerada uma das maiores invenções de sempre. Deu oportunidades imensas a diversas pessoas de comunicar melhor, de saber notícias de diferentes pontos do mundo e até de trabalhar de forma mais eficiente e funcional. Não há dúvida que todos estes aspectos são positivos e tornaram a vida de muitas pessoas muito mais fácil. No entanto, esse software que está constantemente a ser reinventado também é uma forte fonte de desigualdade e de aumento de assimetrias sociais porque nem todas as pessoas têm acesso a essas tecnologias nem sabem trabalhar da forma mais correcta com elas e desta forma, não se inserem em certos meios mais “privilegiados”.

Artística e culturalmente, na minha opinião, o crescente upgrade de formas de utilizar diversos programas de criação artística automática ou quase automática como programas de edição digital e criação de música ou video , têm vindo a ter muita popularidade. Pessoalmente acho que esses meios despersonalizam o processo de criação, porque as pessoas deixam de necessitar de um instrumento musical ou material plástico para utilizar um instrumento não físico que descaracteriza e de certa forma desumaniza a obra criada, é muito importante em todo esse processo que se manuseie, e explore a ferramenta utilizada de forma a que o produto final seja o mais puro possível. No entanto, não estou a criticar por completo este software criador pois existem muitos pontos a favor da utilização destas ferramentas no mundo artístico, facilita a criação de cartazes publicitários com muito mais mestria e minúcia, sendo quase perfeito o resultado(conceitos como simetria e profundidade são melhorados e fáceis de atingir), trabalhos escolares de diversos campos ou até arte, mas não descarto completamente a noção de que é uma forma impessoal de criar e de fazer algo novo. Desta maneira, existem duas formas diferentes mas não completamente divergentes de abordar este assunto, uma mais natural e de renúncia à desumanização do produto artístico e outra mais virada para o progresso e para a uniformização desse mesmo produto através da tecnologia.

António Martins

Memórias de Registro e manipulação temporal

Tema de escrita: o que significou registrar a voz humana pela primeira vez? O que acontece quando se grava o som?

A história da vida humana foi acumulada ao longo de centenas de anos através de memórias de registro que nos permitiram ascender e a conhecer uma realidade existente em um tempo em que não estivemos presentes. Os diferentes tipos de registros encontrados pelo homem como forma de perpetuar um momento seja pela via oral, registros escritos, pinturas ou mais tarde, com o advento das Novas Medias (a fotografia como captação da imagem no presente, o cinema como captação e reprodução do movimento pela manipulação da imagem sequenciada, ou as técnicas de gravação e reprodução sonora como uma extensão do falar e ouvir),permitiram o registro aprimorado do tempo e sua manipulação.

Desde a invenção do Fonoautografo em 1857 pelo francês Leon Scott, o registro sonoro torna-se possível. Mas é somente em 1887, com Tomas Édison que é criado (ou desenvolvido) o Fonógrafo, que diferentemente da invenção de Scott ,que apenas registrava e guardava em um espaço físico o som captado no ambiente, permitia também a reprodução desse mesmo som.

O registro sonoro passa então a proporcionar a manipulação do tempo e do espaço no que diz respeito ao som. Ouvir um som pela primeira vez não foi apenas a audição de um registro sonoro, mas a oportunidade de exploração e manipulação das propriedades do som, seja ele musical, textual ou de qualquer espécie.

O impacto que esse registro\reprodução causou em seus primeiros ouvintes, foi provavelmente semelhante a passagem descrita nas “Palavras degeladas”, onde o escritor francês François Rabelais conta, no Quarto Livro, nos capítulos LV e LVI, as aventuras de Pantagruel ( um herói de inspiração medieval, filho de um gigante, o Gargântua, que parte em diferentes aventuras acompanhado de seu amigo Panurge).Pantagruel e seus amigos estão em um barco em meio a uma atmosfera gélida quando ele desperta a atenção de todos para a PRESENÇA de sons:

“Camaradas, não ouvis nada? Me semelha que ouço algumas

gentes falantes no ar, e não vejo, todavia, ninguém ali.”

Nessa passagem da obra , tanto Pantagruel como seus amigos, tem um contato direto com os sons da batalha ocorrida naquele mesmo local no começo do inverno, onde se congelaram todos os sons da guerra, os ruídos e fragores do combate que com o término dos tempos frios degelavam-se e tornavam-se audíveis.

 “O que formidavelmente nos espantou, e não sem razão, a ninguém vendo

e, no entanto, ouvindo vozes e sons muito diversos de homens, de

fêmeas, de infantes, de cavalos”

Com o registro sonoro de certa maneira, pode-se garantir a presença do corpo produtor do som, a medida que reproduz-se a frequência sonora tal como fora produzida (ou de forma próxima), principalmente hoje em dia em que as tecnologias de captação( ou como na historia de Rabelais, o congelamento dos sons), e reprodução (o processo de degelo)foram bastante aprimoradas.

É bem provável que seja esse o sentimento despertado naqueles que presenciaram o primeiro registro sonoro :“Espanto”.Isso por terem a oportunidade de entrar em contato com sons de diversas naturezas em tempos e lugres distintos ao qual foram produzidos, e sem necessariamente terem um contato direto a fonte produtora que se faz presente por sua reprodução.

Amanda Gomes

Tradução das citações por Antônio Lázaro de Almeida Prado (http://www.cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=1473

A voz, a fotografia e as primeiras imagens em movimento

Nos dias de hoje, a nossa sociedade apesar de pobre, é uma sociedade de luxos. Seria impossível, antigamente, pensar em ver algo em movimento, ver a captação real de um momento ou até ouvir um simples ruido que não saísse de uma boca. Hoje em dia, em casa ou fora dela, vemos por todo o lado sequências de imagens, ouvimos vozes na rádio, na televisão, no computador, nos carros, nas lojas, em todo o lado conseguimos estar em contacto com estes novos media.

Podemos começar por falar da primeira fotografia que foi registada em 1838. Trata-se de uma fotografia urbana que apanha duas ruas de prédios e uma rua entre elas, esta fotografia deu-nos o primeiro registo de lugar, o primeiro retracto do ser humano, onde podemos observar cada pormenor, coisa que seria impensável se simplesmente lá passasse-mos no meio, pois há sempre mais do que aquilo que vemos para descobrir, existem muitos mais ângulos e ainda muitas mais perspectivas.

A voz, que tem o seu primeiro registo em 1877, tem a capacidade de registar todos os elementos expressivos de qualquer individuo. É mais presente que, por exemplo, uma fotografia, essa trata-se de uma forma mais plena de captar a presença.

Já as primeiras filmagens foram realizadas em 1888, no jardim de uma casa onde os actores aparecem a rir e a andar de um lado para o outro, intitulada de Roundhay Garden Secene é uma curta-metragem britânica considerada o primeiro filme da história ainda sobrevivente. Essas filmagens vieram revolucionar toda a geração que via só e simplesmente aquilo que era naturalmente visível, palpável e real.

As imagens em movimento são cinema, o cinema são imagens em movimento, dão-nos uma expansão visual fantástica para além de servirem de registo, de poderem voltar a ser vistas, de poderem ser inventadas e impossíveis (porque a imaginação cresce com o cinema). As imagens acima de tudo serviam como registo do passado – memórias.

A voz, a fotografia e as imagens em movimento são, sem dúvida, uma extensão dos sentidos, alargam-nos a capacidade de ver e ouvir, conseguimos ver (através de fotografias) e ouvir (através de filmes, gravações etc.) o que não conseguimos captar naturalmente, no momento, cara a cara. Com o registo da primeira voz, da primeira fotografia e da primeira imagem em movimento, todo o mundo começou a poder preocupar-se com os chamados pormenores, e isso acaba por completar o conhecimento do real.

Mais tarde, tudo isso deixou de servir tanto de testemunho de um acontecimento, de um momento e passou a servir mais de entretenimento. Daí veio tudo aquilo que conhecemos hoje, que nos entretém como grande parte dos programas televisivos, a propaganda, a publicidade, os programas de rádio, a música, os teatros, o cinema, etc.

Tudo isto é um fenómeno que veio alargar toda a percepção visual e auditiva daquilo que nos rodeia.

Soraia Lima

Internet, ferramenta de aprendizagem

Como participam os médias digitais nos meus processos formais de aprendizagem? Como uso a internet e o computador? Que programas e plataformas uso?

Desde há algum tempo, tem-se vindo a observar uma mudança radical nas diferentes formas de aprendizagem. Antigamente, o conhecimento que tínhamos sobre coisas que achamos fundamentais hoje em dia como saber notícias ou ter aulas “particulares” com pessoas que estão do outro lado do mundo era reduzido ou até mesmo nulo. Eu utilizo muito jornais electrónicos que me permitem aceder à informação que é fidedigna (em princípio), blogs, videoaulas e a plataforma do youtube que me enriquecem tanto cultural como socialmente na medida em que demonstram o que de importante se passa à minha volta. Essa noção antes não era possível, as pessoas tinham de se contentar com as notícias tardias e alteradas ou até mesmo nem sabiam o que se passava.  Assim, graças à maior invenção social, política e cultural do século XX, a Internet, podemos fazer todas as coisas que antes eram impossíveis ou impensáveis à distância de um clique. Esta invenção veio potenciar as formas de conhecimento tradicionais e elevou-as a um nível de tremendo destaque (tanto que estas tiveram de se adaptar aos avanços tecnológicos constantes) provocando um sucesso que hoje presenciamos no mundo inteiro.

Pessoalmente, considero que o aparecimento da Internet foi e continua a ser muito benéfico para a aprendizagem de diversos temas, consoante os interesses e os gostos de cada um. Neste curso que frequento a utilização da Internet como meio de aprendizagem é quase diário, desde a pesquisa de informações úteis para compreender as aulas até a visualização de vídeos da plataforma youtube pedidos pelos professores. Também frequento o Conservatório de Música de Coimbra, onde no Curso Livre de Jazz, me é muitas vezes pedido para ouvir este ou aquele intérprete para me ajudar a abordar melhor o instrumento e visualizar aulas na internet que obviamente são uma ajuda paralela que eu aproveito para melhorar o meu desempenho.

No entanto, a Internet também tem “o outro lado da moeda”, muitas vezes as pessoas pensam que devido a estar disponível online, a informação é fidedigna e portanto devem considerá-la relevante, essa interpretação está errada. Com o crescente interesse e o melhor acesso à Internet pela população mundial, a quantidade de informação errada ou incompleta é astronómica, por isso é que é necessário ter muito cuidado no seu manuseamento e se a utilizamos ou não como auxílio para a nossa aprendizagem. É necessário julgarmos a informação e não aceitar tudo como verdadeiro.

António Martins

Articulação das novas médias com as práticas de Ensino contemporâneas

Tema de escrita: Como participam os médias digitais nos meus processos formais de aprendizagem? Como uso a internet e o computador? Que programas e plataformas uso?

 

Para falar de processos de educação e ensino nos dias atuais, é preciso antes de mais nada, considerar todo o processo que envolve a articulação fornecida pelos meios convencionais e pelas instituições especializadas,com as incontáveis fontes informacionais eletrônicas que estão disponíveis a maior parte dos indivíduos.

Com a convergência das médias no que chamamos hoje de internet,e a ligação de indivíduos e informações em um espaço eletrônico compartilhado, o ascender a fontes de conhecimento torna-se mais facilitado, não no sentido pejorativo, mas sim como um novo modelo de aprendizagem com potencialidade especificas.

Sou estudante de música, e reconheço essa facilidade promovida pelo advento das novas médias. Nessa área, é comum levantarmos a questão do aprendizado formal e não formal de música, e como ambos se mesclam. Temos hoje uma infinidade de informações disponíveis em diferentes sítios, e o papel da escola e do ensino sistematizado das práticas musicais torna-se uma questão bastante delicada. Os indivíduos vêem não apenas na figura do professor ou/e na instituição própria de ensino musical a possibilidade aprendizado, mas tem (como fonte ou apoio) diferentes meios, como softwares educativos e vídeo aulas (o que se aplica as mais diferentes áreas, não apenas á musica).

Para meu trabalho, a internet funciona como uma ferramenta de auxilio à medida que me fornece informações adicionais àquela em que tomo conhecimento em uma instituição de ensino especializada. É portanto, uma extensão da sala de aula e das práticas pedagógicas que nela se desenvolve.Há também a questão da utilização de certos programas, tal como o  Sibelius ou  o Guitar Pro, que facilitam a leitura e composição musical, sendo uma ferramenta adicional no processo de estudo e aprendizado.

Creio que há uma grande dificuldade nas práticas de ensino contemporâneas para articular as potencialidades desses novos meios coma as já existentes e que vigoram a muito tempo.A tecnologia por si só não é garantia de qualidade de ensino e aprendizado, mas a forma com que ela é usada e como pode interagir com as práticas de ensino é que a torna significativa.Pensar em sua articulação demanda uma reconfiguração pedagógica em uma época em que a descentralização do conhecimento e da informação é um fato presente.

Amanda Gomes

Os novos média e a difusão da música

A primeira grande revolução na área de divulgação musical ocorreu no princípio do século XX, mais concretamente ao longo da década de vinte, quando as estações de rádio “invadiram” os EUA, a Europa e, embora mais lentamente, todo o planeta. Nos EUA, o número de emissoras passou de 4 em 1921 para 382 no final de 1922 e a chegada do rádio comercial não demorou, com as emissoras a reivindicarem o direito de sobreviver com seus próprios recursos.

As transmissões em directo de música clássica ou tradicional e mais tarde, a reprodução de gravações cada vez mais sofisticadas de géneros musicais variados, transformaram rapidamente os hábitos quer de produção e divulgação, quer de consumo, da música.

Surgiu a chamada indústria fonográfica que durante décadas movimentou milhões e foi responsável pela massificação de fenómenos musicais como o rock e o pop, pela uniformização dos padrões de consumo em todo o planeta; a rádio, muito mais do que a TV, foi o grande veículo comercial desta revolução musical, trabalhando sempre em estreita e amistosa relação com as editoras e produtoras discográficas, que por um lado alimentava mas das quais, por outro lado, dependia. 

Quando o rock’n roll era rei, os teenagers achavam “cool” ficar especados no exterior das lojas discográficas locais para ouvir os novos ”hits” editados. Mais importante, os teens eram o maior grupo de consumidores e a indústria contava com eles, esperando que se constituíssem como um grupo fiel de compradores vitalícios.

As inovações tecnológicas, o digital e a Internet, goraram progressivamente as expectativas, comprometendo os modelos financeiros das grandes empresas uma vez que, em poucos anos, viram alterar radicalmente hábitos e formas de consumo musical. A publicação e audição (piratas ou não) de todo o tipo de géneros musicais, introduziu o “download” e as listas de reprodução. As novas possibilidades técnicas no campo da edição musical, criaram um novo universo paralelo de produção, de acesso e divulgação fácil e acessível a todos, através das redes sociais como o Myspace ou o Twitter ou sites como o YouTube. 

Neste novo contexto, as relações instituídas e operantes ao longo de décadas, entre autores, interpretes, produtores, promotores e público consumidor, estão irreversivelmente corrompidas e ainda em processo de re-ajustamento; levantam questões de natureza diversa, que vão desde as mais básicas questões de mercado e finanças até às mais complexas problemáticas socioculturais e ético-legais.

Se por um lado a divulgação musical “pirata” permite um acesso ilimitado, sem fronteiras ou restrições de qualquer natureza pode, por outro lado, ameaçar a viabilidade das empresas que, durante décadas, investiram e competiram entre si de acordo com modelos de mercado mais sofisticados, pautados por vezes pela qualidade das produções e excelência das escolhas. Escapando a todos os “filtros”, este novo modelo permite a proliferação de “ilhas” e subgrupos de preferências, nalguns casos criados de forma quase aleatória e frequentemente alienados de um contexto sociocultural capaz de conferir e aferir critérios de apreciação dos próprios fenómenos musicais.

Maria Pires

Vídeo aulas de música


Com o desenvolvimento dos meios de comunicação a música tornou-se mais acessível para toda gente, antes tínhamos de ir a uma loja especializada a fim de obter um disco desejado, hoje com o desenvolvimento tecnológico podemos ter a música que almejamos em questão de minutos, na música em relação ao aprendizado da técnica de um instrumento musical não foi diferente, antigamente para se poder tocar uma música, era necessário ter um conhecimento teórico sobre música ou ter uma audição apurada, para quem não sabia ler partitura  conseguir executar a música que desejava-se. Anteriormente precisávamos de ter aulas com um professor de música afim de acompanhar nosso desenvolvimento e transmitir todo conhecimento necessário para termos a habilidade necessária para tocarmos, nos dias de hoje  se tem as vídeos aulas pela internet na qual podemos tocar as músicas que desejamos rapidamente, nessas vídeo aulas como por exemplo a de guitarra que consiste de um professor que nos ensina passo a passo a tocar uma música com o auxilio de uma tablatura para ajudar na assimilação da vídeo aula afim de poder tocar mais rápido e com mais facilidade as músicas tocadas na vídeo aula. Necessariamente a vídeo aula ajuda as pessoas que querem aprender a tocar as músicas que gostam, mas apesar que, nestas vídeo aulas diferentemente de ser ter uma aula com um professor pessoalmente não se poderá ter todo o conhecimento teórico, será apenas uma forma mais rápida de se aprender uma música mas não se terá como desenvolver sua musicalidade de uma forma mais expansiva. Um site muito conhecido no Brasil é o www.cifraclub.com.br  que além de se  ter a cifra das músicas, partituras e etc de vários cantores oferece aos seus usuários gratuitamente as vídeo aulas. No vídeo apresentado abaixo temos um da execução de uma vídeo aula de forma bastante simplificada do compositor e cantor brasileiro Caetano Veloso.

Maurício Teixeira

Songs for Japan

Os álbuns de música digitais estão cada vez mais na moda nos dias de hoje. Vários artistas já se renderam à venda de álbuns através do Itunes, uma aplicação musical desenvolvida pela Apple. Deste vez, surgiu um projecto, não para benefício dos próprios artistas, mas para ajudar as vítimas que sobreviveram aos sismos e aos tsunamis que abalaram Japão em Março deste ano. A Universal Music convidou vários artistas para se juntarem e participarem num álbum digital, com 38 faixas, que foi posto à venda no Itunes pelo preço de $9,99 dólares (aproximadamente 6,93 euros). A colectânea foi feita um pouco à pressa, pelo que não é um álbum de canções inéditas, mas sim um álbum com um dos melhores êxitos de cada artista que se juntou a esta causa. O álbum conta com músicas de artistas como U2, Red Hot Chili Peppers, Foo Fighters, Madonna, R.E.M., Elton John, entre muitos outros. O valor das vendas mundiais revertem a favor da organização da Cruz Vermelha japonesa, cujos fundos irão servir para ajudar na recuperação das áreas mais atingidas pela catástrofe.

O lançamento digital do álbum ocorreu a 25 de Março através da Itunes Store, mas a sua venda física também já está disponível desde Abril deste ano.

Andreia Loureiro

In Bflat

Quantas vezes não lhe aconteceu abrir uma data de separadores com vários blogs, e, sem perceber de onde, começam a tocar duas ou três músicas em autoplay que fazem uma barulheira tal que dá por si irritada/o a fechar o browser porque está desesperadamente à procura das fontes das músicas, sem sucesso?!

In Bflat’ (‘Em Si Bemol’) surgiu dessa mesma ‘algazarra’: o autor do site estava a criar uma página com vários vídeos embutidos e reparou que o youtube não pára um vídeo quando começa outro ao mesmo tempo. E lembrou-se de explorar tais possibilidades musicais: gravou alguns vídeos instrumentais e criou o site. O resto dos vídeos foram enviados por users, obedecendo a certas regras, como por exemplo tocar em si bemol, em silêncio, deve ser um vídeo curto (1/2 minutos) e o volume deve combinar com o dos restantes vídeos. Estes são posteriormente escolhidos pelo autor, que se segue pelo seu instinto.

O autor do site encoraja ainda as pessoas que o descobrem a criarem as suas próprias versões do mesmo: Buddha Machine toca os vídeos continuamente.

Há ainda o site ‘irmão’ do In Bflat, o marker/music, criado também por Darren Solomon em conjunto com os estudantes e a Northern State University. Entre 18 e 22 de Outubro de 2010, o grupo de estudantes filmou 70 videos na área de Aberdeen, South Dakota, 12 dos quais foram escolhidos para fazer parte de um mapa personalizado no Google. O projecto foi inspirado no In Bb e tem como objectivo explorar o conceito apenas numa comunidade local, em vez de na tão movimentada internet.

É assim vista uma nova forma de fazer música. Shakespeare dizia que o mundo é uma ostra, para Darren, o mundo é uma orquestra.

Daniela Boino

InstrumenTube

As pessoas que sempre sonharam tocar um instrumento mas que não possuem nenhum, não se preocupem. Cada vez é mais fácil tocar qualquer tipo de instrumento através dos meios digitais.

O Youtube lançou um canal interactivo, o InstrumenTube, que permite ao cibernauta tocar alguns instrumentos e criar canções ao seu gosto. Instrumentos como o piano, o órgão, o baixo, a guitarra, o contrabaixo, o xilofone, a até mesmo um chocalho podem agora ser tocados através de uma série de vídeos simples, onde o instrumento é tocado de modo a que cada nota encaixe na linha de tempo (timeline) vermelha do vídeo. Cada tecla onde carregamos não é, nada mais, nada menos do que um link, e cada um desses links leva a uma parte (tempo) do vídeo inteiro já pré-programado, onde são tocadas as várias notas.

Apesar de os instrumentos estarem restritos a apenas algumas notas e, por vezes, os vídeos demorarem a carregar, estes vídeos são uma boa maneira de passar o tempo, descobrindo os sons que cada instrumento pode fazer. Podemos, ainda, mixar os instrumentos, tocando-os todos ao mesmo tempo, o que se pode tornar numa boa forma de criar uma banda online!

O canal InstrumenTube informa que em breve estarão disponíveis novos instrumentos. Porque não experimentar?

Andreia Loureiro

Stereomood, apetece-me algo…

Imagine o cenário: um dia solarengo, à beira da piscina, enquanto se entretém com o IPhone apetece-lhe ouvir música, mas não sabe o quê. Uma música divertida, leve, que combine com o dia e que a/o ponha bem disposta/o. Um dia de chuva e frio, em que só apetece estar enfiada/o na cama e a beber chocolate quente e ouvir música melancólica, mas não sabe o quê. Outro dia qualquer em que se decide finalmente a fazer as arrumações em casa e quer música enérgica, que a ajude a limpar e a dançar, mas não conhece bandas assim. Ou ainda para enquanto se lê um livro…

Stereomood não é apenas mais um sítio na Web para ouvir música. Não é, de facto, apenas mais um site. É uma mais-valia para o mundo inteiro. É a revolução das rádios na internet. Quer dizer, aposto que quem quer que esteja a ler este texto gosta de música. Gosta sem dúvida de ouvir música. E que normalmente as escolhas musicais (ou dos postos da rádio) dependem do estado de espírito. Que mais pedir, a não ser um site onde se pode ouvir música que encaixa no estado de espírito?

PrintScreen do Stereomood

A ideia surgiu em 2008 em Milão, quando Giovanni, uma das criadoras, se fartou de ouvir um amigo sempre a ouvir a mesma música e lhe apresentou blogs com músicas novas. Lembraram-se então de organizar a biblioteca de músicas por estados de espírito. O site apoia e respeita os artistas, enquanto encoraja os users a comprarem música fornecendo os links para as compras online, não permitindo downloads gratuitos.

O Stereomood é super fácil de usar: nem sequer é preciso registar. Basta escolher um estado de espírito, sentimento ou uma actividade e somos presenteados com uma variada playlist com músicas que combinam com o que escolhemos.

Daniela Boino


Calendário

Agosto 2020
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Estatística

  • 939.787 hits

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.230 outros seguidores