Cibereternidade 

É inevitável o reconhecimento da progressiva fusão entre a mecânica/tecnologia com a biologia, mas isso poderá constituir uma ameaça para a imagem de ser humano como conhecemos? 

As mutações tecnológicas constituirão uma perda de percepção existencial? 

Não podemos negar essa desconstrução humana, pois as correções genéticas estão cada vez mais presentes e consistentes, a tecnologia é capaz de se integrar em nós como complementos ao que a biologia não é capaz de sustentar por si mesma. A ideia de imortalidade humana através de mecanismos tecnológicos está em progresso, a Iniciativa 2045 prevê uma transposição do nosso cérebro para um avatar em etapas finais da nossa vida, tal como a possível existência de cérebros sintéticos capazes de conter a nossa personalidade e consciência. 

Estaremos a contradizer o natural através da cibernética? O nosso futuro poderá estar condicionado, poderemos atingir a posição de seres sobre-humanos capazes de manipular a sua própria genética. 

No entanto já é possível a inserção de dispositivos subcutâneos que nos liga diretamente a computadores, e não podemos negar que seja um processo gradual que culminará num corpo biotecnológico ou totalmente mecanizado. 

Mas não é correto adotarmos um olhar completamente negativo sobre a capacidade de transformarmos o nosso corpo, pois poderemos contrariar erros genéticos se conjugarmos os avanços tecnológicos com a medicina, que poderão conter efeitos positivos. 

Helena Bastos


Calendário

Maio 2015
M T W T F S S
« Abr   Jun »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Estatística

  • 525,046 hits

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.226 outros seguidores


%d bloggers like this: