Arquivo de Fevereiro, 2015

Revolução com apenas um clique

É notável, que nos dias de hoje, não conseguimos sobreviver sem a ajuda dos novos média. A globalização nos tornou tão próximos, todos conectados. Uma ideia pode espalhar-se por continentes em alguns instantes com apenas um clique de distancia. É uma necessidade que nos possibilita uma existência de “omnipresença”. Estar online é estar por dentro do que acontece e é estar disponível a tudo e a todos.

Partindo do princípio de que já aceitamos e tomamos conhecimento da enorme importância das ferramentas de mídia e da tecnologia voltada para a conexão e comunicação da sociedade, e portanto, já temos na cabeça o significado desses meios, é interessante que se abra um discurso sobre suas vantagens no meio sócio-politico.

É de conhecimento geral o que aconteceu em 2011 com os países Árabes, com a Primavera Árabe, o “cyber-movimento” que tomou proporções tão imensas a ponto de derrubar ditadores de longa data no oriente. Como exemplo da força que os movimentos propagados pela internet tem politicamente, segue-se também as Revoltas no Brasil em 2013 e todos os movimentos decorrentes nos EUA a favor dos direitos humanos, tanto na luta contra o racismo, a homofobia e o machismo, que vêm acontecendo recentemente.

Gostaria de destacar que não importa quem, se um indivíduo tem uma ideia e esta ideia pode ser de interesse de um certo grupo de pessoas.. é tudo o que é preciso. Publicar algo na internet pode ser irreversível. Os idealizadores podem ser impedidos, mas a ideia nunca morre. Criar um evento no Facebook pode, e já conseguiu, juntar mais de 1 milhão de pessoas para protestar nas ruas contra um governo corrupto. Isto é apenas o povo se aproveitando da inserção da internet no cotidiano.

Portanto, se formos discutir sobre se a Internet está de fato, dando poder ou apenas censurando os cidadãos, como é debatido no vídeo ” The Internet in Society: Empowering or Censoring Citizens”, eu me encontro a defender a ideia de que a internet nos trouxe poder e uma forma ilimitada de difundir ideias. E se o argumento de que o governo poderia utilizar a internet para achar as cabeças por trás das ideias revolucionárias e dos protestantes, eu rebato explicando que: apenas as mentes são mortais, mas ideias nunca morrem.

 

Clara Motta

 

E-mail vs papel e caneta

Sou do tempo em que a Internet não era para toda a gente. Sou do tempo em que ia para casa da minha prima Sara ver vídeos de gatos no Youtube enquanto ela partilhava os mesmos vídeos com amigas via MSN. Sou do tempo em que a mãe da Sara dizia que precisava de fazer um telefonema e nós suspendíamos a sessão do Youtube. Só passados alguns anos é que tive ligação em casa.

Monopolizava o computador da casa, chegava da escola e ia para o computador, saía para o treino de hóquei em patins e ia dormir, nos dias em que não tinha treino e às sextas-feiras ficava ligado até tarde em fóruns, a comunicar no Hi5. Foi assim durante dois anos, depois disso o meu pai decidiu cancelar o contrato da rede.
Passei a estar desligado durante algum tempo. Ouvia rádio, andava de skate e tocava guitarra com amigos. Tive uma fase completamente diferente da anterior, mais afastado dos novos média.
Com quinze anos parti o pé. Falta pouco para fazer quatro anos desse incidente. Estive seis meses sem me conseguir mobilizar normalmente, passei praticamente todo o tempo de recuperação ligado ao laptop. Formspring.me, Skype, Tumblr, Facebook, Blogger e alguns fóruns de discussão foram o que me conseguiram aguentar todo o tempo que estive literalmente parado. Conheci várias pessoas por este meio, umas a 30 quilómetros, 150, 200. Ainda hoje me dou com parte dessas pessoas que me ajudaram na recuperação. Mas não nos limitamos ao chat nem a likes no Facebook. Damos valor ao físico e, por estarmos tão distantes, correspondemo-nos por carta, old school. Guardo cada carta que recebo com um carinho especial, é a única forma não digital de contacto que tenho com a maioria destas pessoas. É sempre mais fácil comunicar assim, sem a língua a pregar-nos partidas. Os sentimentos são extraídos de mais fundo e enterram-se mais em nós quando lidos.

Carlos Vicente

#seculo XXI

Século XXI, o que é isso?

Neste momento, acho que lhe podemos chamar século virtual, tendo em conta que quase metade do nosso tempo é passado em frente a um ecrã a ler e a ver publicações e mensagens nas redes sociais, a postar fotos no Instagram e a “socializar”, se é que podemos chamar-lhe assim.

Estas novas tecnologias acompanham os nossos dias, 24 sobre 24 horas, tornando-se quase impossível separarmo-nos deste mundo virtual. Eu falo por experiência própria: neste momento, eu sinto que seria impossível passar uma semana – ou alguns dias que fosse – sem utilizar a internet. A internet, para mim, tornou-se algo indispensável, tendo em conta que é esta via que mais utilizo para comunicar com pessoas que estão longe de mim e é com ela que ocupo a grande parte do meu tempo livre, quase como se uma parte da minha vida estivesse nesse mundo a que chamámos internet.

Mas como a internet, também o telemóvel roubou uma parte importante do ser humano, a capacidade de conviver com outras pessoas e socializar com as mesmas. As pessoas têm vindo a deixar de falar umas com as outras e têm passado a trocar mensagens ou chamadas, deixando de saber o que é um sorriso, uma cara triste, um amigo verdadeiro…

O ser humano deixou de falar frente a frente e começou a usar o chat, onde expressa as suas emoções, através de bonequinhos amarelos com sorrisos ou caretas; deixou de conseguir falar sem usar um hashtag antes das frases; começou a fotografar a nossa vida para que todos vejam e tornou-se alguém que diz tudo o que pensa ou sente, ou seja, expressa e expõe os seus sentimentos e a sua vida. Aqui chegados, acho que se torna um ser Antissocial.

Friamente, analisando esta problemática em profundidade, sinto-me um pouco desiludido comigo mesmo. Como é possível que uma coisa tão banal como uma rede social ou um dispositivo digital tenha sido capaz de me possuir, sobremaneira, a mim e a um mundo inteiro?

Será que conseguimos alterar esta situação – ou pelo menos diminuir os valores da dependência – num futuro próximo?

 Tiago Marques

Ubiquidade como qualidade?

«Dom de estar ao mesmo tempo em vários lugares; omnipresença»

Por entre sílabas e interpretações, a ubiquidade caracteriza a comunicação social e os mass media – se é que em parte se podem considerar sinónimos. Com frequência, têm vindo a ser alvo de grotescas transformações, de modo a alcançar e a abranger até os locais mais inóspitos. No âmbito de pesquisa da nossa disciplina, a intenção nesta temática será focar toda uma cadeia de metamorfoses que ditaram o nascimento desta era digital, e o impacto que tem este carácter omnipresente na vida dos seres humanos no século XXI.

Vemos diariamente a forma como a nossa vida foi facilitada. Seja em relação ao tempo, ao encurtar de distâncias ou de custos. Gosto aqui de exemplificar a Internet, porque no mesmo minuto, tanto posso estar a par de acontecimentos na Austrália, como de um cruzeiro itinerante pelas águas do Pacífico. É essa a realidade da Internet. A omnipresença que esta concede a quem a utiliza.

É então que surge o conceito de omnisciência. O “saber de tudo”, porque temos acesso a uma panóplia de informações, não significa que tenhamos qualquer tipo de conhecimento. A informação é difusa e, também por isso, confusa.

A título de exemplo, houve recentemente um acontecimento terrorista em França. Após o atentado contra o jornal Charlie Hebdo, muitas foram as “facções” virtuais dissidentes que cresceram na web e que esta despoletou. Falo de pessoas que acima de tudo resguardam a liberdade de expressão, ou pessoas que preservam mais o valor da vida humana, ou pessoas que defendem este “não-afrontamento” entre doutrinas. E ainda pessoas que alegam que, através da Internet não se conseguirá elucidar a contento nenhuma das partes, e creio que aqui residirá a iminência da ameaça.

Esta montra de terrorismo a que assistimos quase diariamente na mediação digital tende a tornar-se numa constante, e a Internet revela ser o veículo ideal para isso acontecer; já que a grande maioria da informação que circula não tem obstáculos para circular, e facilmente pode chegar a qualquer lado. Esta é uma outra característica da divulgação massiva de informação na mediação digital; e surge assim, por exemplo, a necessidade de criação de filtros de leitura, isto é, uma boa educação de base, que permita uma navegação mais consciente.

A título de exemplo, na passada quinta-feira, dia 19 de fevereiro de 2015, saiu este artigo relativo a uma estratégia contra esta apologia ao terrorismo, e que o Conselho de Ministros aprovou.

Maria Miguel

A Tecnologia e a sua Relação com o Mundo e com os Outros

Um dos problemas atuais e com maior influência no que respeita aos novos media é o controlo que a tecnologia exerce sobre a população nos dias de hoje. O mundo tecnológico tornou-se um vicio para a nossa humanidade e cada vez mais nos deparamos com a perda de comunicação e interação entre indivíduos sem que haja o auxílio ou a utilização de objetos tecnológicos. Cada vez mais nos tornamos dependentes de objetos como telemóveis, computadores, ipads, etc, que apesar de nos serem imprescindíveis nos dias de hoje, com as suas capacidades de tornarem muito mais fácil o nosso conhecimento, o nosso trabalho, o nosso desenvolvimento, até mesmo as nossas capacidades de comunicação, mas que nos fazem perder tempo. Tempo esse que deveríamos usar nas nossas relações, amizades, até mesmo com a família. O poder tocar numa pessoa, olha-la nos olhos, rir e chorar com alguém, aqueles bons momentos que todos gostam de passar sentados numa esplanada. E se pensarmos bem, quem já não deixou de estar com alguém ou fazer algo de que gosta só para ficar agarrado a um telemóvel ou a um computador?
São estes privilégios que a nossa sociedade está a deixar de parte, para ficar agarrado a estes objetos que tanto nos facilitam a vida e ao mesmo tempo nos reprimem no sentido de perdermos um pouco da nossa humanidade.

 Cada pessoa passa quatro anos da sua vida a olhar para um telemóvel!

 E mudar isto, só depende de cada um. Nós fazemos a escolha. E isto, nós não podemos “auto-corrigir”.

Ana Rodrigues Oliveira

Sociedade Tecnológica

Vivemos em pleno século XXI, onde a tecnologia está cada vez mais presente sob as mais variadas formas no nosso quotidiano. Quem não tem pelo menos um telemóvel , um computador ou um tablet e pelo menos uma conta numa rede social seja no facebook ou em qualquer outra?

Claro que toda a tecnologia  tem as suas vantagens , sobre as quais  se puderiam passar horas a falar, mas também tem muitas desvantagens.dizemos que um telemóvel ou a internet nos ajuda a estarmos mais próximos uns dos outros. isso até pode ser verdade não o posso negar , mas será que também não ajuda a estarmos cada vez mais distantes?

Cada vez mais somos uma sociedade tecnologicamente dependente. Já não sabemos, nem sequer conseguimos imaginar viver sem um simples objeto como o telemóvel!

Quem já não voltou a casa simplesmente porque se esqueceu do telemóvel, ou quem já não stressou e ate ficou de mau humor porque o telemóvel ficou sem bateria ou sem rede?

Quantas vezes damos por nós no meio de um jantar ou de uma conversa, a ir a mala ou au bolso e pegar no telemóvel para mandar ou ver se recebemos uma mensagem?

Quantas conversas perdemos ou só apanhamos uma parte porque estamos concentrados a ler, a mandar uma mensagem ou a ver o que se passa nas redes sociais au invés de estarmos a conviver com quem esta ao nosso lado naquele momento?

Quem nunca chegou a casa e uma das primeiras coisas que fez foi ligar o computador para ver o que se passou de “importante” durante o pouco tempo em que esteve ofline.

Hoje em dia os jovens têm o seu primeiro computador ou/e o seu primeiro telemóvel cada vez mais cedo, sendo uma parte das vezes ainda umas crianças. Crianças  por vezes filhas de pais ausentes que para as compensarem lhes oferecem estes objetos ao invés de lhes darem algum tempo de atenção e carinho. Crianças essas que começam cedo demais a ser corrompidas em toda a sua essência por algo tecnológico que cedo demais lhes foi lançado para as mãos.

Por culpa de pais inconscientes que não tem a noção do mal que estão a fazer aos seus filhos ao darem-lhes acesso a estes objetos tecnológicos ,estando na maior parte das vezes a expor as crianças a inúmeros perigos que estão escondidos um pouco por todo o lado cada vez que é ligado um computador ou acedem a redes sociais onde muitas vezes ainda com alguma inocência falam com estranhos e sem o mínimo controlo por parte de um adulto, são induzidos a entrar num mundo que não lhes pertence e no qual não deveriam sequer estar!

Estaremos nós assim tao dependentes de tecnologia, que estamos cada vez mais a deixarmo-nos corromper por ela?

Luis Santos

Uma nota sobre as distâncias

“A transcendência das distâncias ganha meu presente e introduz uma suspeita de irrealidade até nas experiências com as quais eu creio coincidir”.

– Maurice Merleau-Ponty

           A citação que abre esta postagem é bastante sintética quando falamos de comunicação nos dias de hoje. A atualização constante dos meios de comunicação do tempo de Merleau-Ponty ( primeira metade do século XX ) encontra no programa Skype o seu ponto mais elevado. Em referência ao uso de outros meios digitais como a rede social Facebook, percebo que no Brasil – em detrimento de Portugal, comunica-se muito mais através desta ferramenta e que muitas relações sociais se confirmam e se desenvolvem pelo ecrã. A “depressão” do século XXI encontra nessa dinâmica o seu porto seguro e é observável uma massificação de sintomas de caráter psicossocial, como a síndrome do pânico, que se desenvolvem, entre outros fatores, a partir da ruptura da convivência real em direção a uma irrealidade.

Sendo de outro país e morando em Coimbra por seis meses, é evidente que a mediação digital está inserida intrinsecamente em meu cotidiano. Seguro de seus pontos positivos, como a comunicação rápida e direta com familiares e amigos brasileiros, também atento para o seu lado “negativo” na extirpação da ideia de distância que se impõe a cada conversa. Entre Portugal e Brasil são três horas, significativas, de diferença. Ou seja, enquanto estou almoçando, meus amigos acabaram de acordar, o que impele um ajustamento de horários que reflete em nossa relação tecnológica.

Transcender a distância me aproxima muito mais de uma vida que deixei em meu país e que só agora, afastado dessa convivência, consigo tomar consciência com muito mais urgência. Sei o que ocorre nas dinâmicas sociais que mantenho com o Brasil em meus círculos de amizade, mas nada posso fazer ou participar a não ser, de fato, saber. Ou seja, o que percebo é uma experiência que se faz irreal posto que não me habilita a tomar partido de sua realidade existencial.

André Luiz Chaves

A “caixa” de Pandora

O pequeno aparelho que veio substituir tudo ( ou pelo menos quase). Não nego a sua utilidade, nem o modo como agiliza diversos processos no nosso dia, nem que com ele é possível “viajar” do Porto a Lisboa em segundos. Contudo acho que é necessário ( e entenda-se urgentemente necessário ) não deixarmos que a pequena “ caixinha dos microchips” controle cada ação que fazemos ao longo do dia. A quem é que já não aconteceu, vá-se lá saber por obra do acaso ou talvez vontade própria do aparelho, não tocar o despertador na hora que o era devido… Tragédia das tragédias que faz com que todo o dia esteja já sentenciado por esta “birra” do aparelho teimoso que não tocou.

E é assim que nós, os seres humanos, os ditos dos racionais, nos deixamos dominar pela “vontade própria” do pequeno rectângulo que nos acompanha todos os dias no bolso do casaco. Convém é não esquecermos que como produto de toda uma centelha de evoluções técnicas e científicas , a máquina acabou por adquirir uma característica intrínseca ao seu criador : a de ser falível. Mas a questão preocupante não se baseia nisso, mas sim no facto de termos-nos tornado tão dependentes desse mesmo aparelho que somos incapazes de “reagir” perante uma situação em que este nos falhe, quase como se o mundo fosse acabar apenas pelo simples facto de não termos bateria no telemóvel como se a chamada das nossas vidas fosse realmente perdida nesses 5 minutos de desconexão com o mundo da mediação digital.
É flagrante que por mais que queiramos, já se tornou impossível levarmos uma vida completamente normal sem a presença dos mais diversos aparelhos. A mediação digital tornou-se um essencial em diversos pontos da nossa vida, começando pela educação onde a maioria dos trabalhos já é entregue por e-mail, onde o caderno e a caneta foram substituídos pelo tablet ou pelo computador, sendo que a maioria dos estudantes atualmente já não faz ideia onde se situa a biblioteca da sua escola. E sucessivamente esta cadeia se transpõem para o mundo do trabalho, e para as funções que qualquer cidadão desempenha no quotidiano. A conta da luz ou da água já não chega por carta do correio, mas por e-mail ou uma simples mensagem de telemóvel. Certo tipo de “operações” de pagamentos de impostos já só podem ser realizadas através da internet. A generalidade dos nossos serviços de atendimento ao público é informatizada, sendo que se ocorrer o infortúnio de falhar a energia elétrica criam-se filas enormes e podemos observar todos os presentes a perder a compostura e tornarem-se autênticas “baratas tontas”.

Pois bem, como já referi, não questiono os avanços que ocorreram galopantemente nas últimas décadas, pois o seu objetivo principal ( sendo esse mesmo o objetivo de qualquer invenção ) é o de colmatar as necessidades com as quais nos confrontamos. Contudo não podemos descartar determinados factos óbvios: o isolamento, a quebra das relações pessoais, e o fosso social que tais avanços vieram agravar, sendo que para mim este último ponto é de facto o mais flagrante. Tenhamos em consideração, por exemplos, todos aqueles que nasceram antes desta “ era do progresso” e que hoje em dia são obrigados a lidar com aparelhos com os quais não se encontram minimamente familiarizados para, por exemplo, pagarem as suas contas ( sendo que os seus “velhos” métodos, com todas as reformas tecnológicas, lhes estão completamente vedados ). Tudo isto nos passa totalmente despercebido, tal como não reparamos quando passamos uma hora numa mesa de café onde não ouvimos a voz das pessoas que estão connosco por todos estarmos “ de pescoço vergado”.

Ana Francisca Cruz

Mundo Digital

Em plena era digital, é difícil resistir às «tentações» que as novas tecnologias provocam. Seja através das redes sociais que permitem comunicar à distância ou através de jogos viciantes que desconectam os utilizadores da vida real durante umas horas, já ninguém consegue ficar indiferente a este fenómeno.

As novas tecnologias dominam o dia-a-dia de muitos utilizadores. É quase impensável estar mais de 24 horas sem estar «conectado» ou simplesmente pegar no telemóvel para realizar uma chamada ou enviar uma mensagem. E a diferença entre gerações é cada vez mais subtil no que diz respeito à utilização das novas tecnologias – quer sejam adolescentes de 15 anos ou avós de 60, esta nova era digital afeta todas as faixas etárias. Torna-se difícil desconectar-se deste mundo digital visto que está em constante atualização e, a cada minuto, há sempre algo novo para ver, para ler, para comentar.

As novas tecnologias permitiram criar novos meios de comunicação interpessoal, que causaram um impacto tremendo na forma como os indivíduos se relacionam e socializam. As redes sociais permitiram com que as pessoas se aproximassem e, ao mesmo tempo, se afastassem cada vez mais umas das outras. Assistiu-se à criação de dois mundos: o mundo real e o mundo digital que, por sinal, estão bem distantes um do outro. O mundo digital baseia-se nas aparências, no disfarce e na exterioridade e serve como forma de escape às dificuldades e problemas do mundo real. Estes dois mundos representam, respetivamente, quem somos e quem queremos ser.

Nos dias que correm, o cultivo das relações físicas interpessoais foi-se degradando. Há uma década, as crianças ainda brincavam na rua e relacionavam-se umas com as outras sem ser por meio de um telemóvel ou um computador. Hoje em dia, é raro haver uma criança com menos de 8 anos que não possua um telemóvel ou um tablet. E ali passam os seus dias – agarrados àqueles brinquedos eletrónicos que os transportam para outra realidade, como se durante aquelas horas o mundo real não existisse. As próprias relações entre adolescentes tornaram-se simples mensagens de texto. É muito mais fácil escrever do que falar diretamente. Sem se aperceberem, estes adolescentes vão alimentando inseguranças pessoais e problemas de socialização que nunca chegarão a ultrapassar, pela facilidade com que as novas tecnologias permitem «resolver» os problemas.

É indiscutível que a era digital trouxe consigo enormes benefícios, no entanto é necessário entender que nem tudo é positivo e estar bem ciente do impacto que as novas tecnologias têm nas nossas vidas. Será que «mundo digital» se tornou sinónimo de «dependência» ou «vício»?

Diogo Martins

Google: informação ou manipulação…

É do conhecimento geral que a google detém a preferência de grande parte dos utilizadores de Internet, no que toca a motores de busca. Sendo esse o meu caso vejo-me em posição de poder citar aquilo que, para mim, faz com que o “Google Search” tenha tanto sucesso:

  • o Google atualiza a sua base de informações diariamente graças à utilização de um “crawler Googlebot”  ou seja, um bot que procura informações novas em “todos” os endereços possíveis da Internet.
  • O Google armazena quase todas as páginas encontradas pelo “crawler Googlebot” e permite que esse conteúdo seja acedido mesmo quando o site original já não se encontra ativo (informação em cache).
  • E por fim a utilização de um algoritmo conhecido por “PageRank” que define quais as paginas que são apresentadas na primeira pagina e qual a sua ordem.

Contudo este algoritmo tem gerado muita polémica no sentido em que para ocupar uma posição de destaque neste motor de busca já não basta ser relevante a nível de conteúdo ou de utilidade para os utilizadores mas sim a sua ligação com a empresa google, como por exemplo: paginas do “youtube” ou “google news” que são detidas pela empresa facilmente atingem locais de destaque nas suas listagens, o mesmo acontece com paginas que pagam para que a sua publicidade apareça nesta mesma posição.

Isto faz com que as opiniões perante o funcionamento da google entrem em debate. Será manipulação daquilo que acedemos ou uma simples tentativa de direcionar\auxiliar o utilizador ?

Na minha perspetiva o google detém este grau gigantesco de influência que se traduz na preferência da maioria dos utilizadores de Internet devido às suas características e excelente funcionamento. No entanto o crescente poder desta empresa leva-me a pensar na necessidade de condicionar a sua dimensão, mas não sei se estamos prontos para as consequências que tal acão acarreta.

Referencias: https://pt.wikipedia.org/wiki/Google_Search

iGeneration

Novos Media

Tema: A ubiquidade da mediação digital na sociedade contemporânea (Prince Ea, Can We Auto-Correct Humanity?)

Após a visualização do vídeo do artista Prince Ea “Can We Auto-Correct Humanity?” decidi que era exactamente àcerca deste tema que eu queria escrever, sobre como os novos media conseguem mudar as pessoas, a  sua maneira de agir, como por exemplo como quando alguém está com uma pessoa de quem gosta e a ignora para falar com os seus “ciber-amigos” no facebook ou noutra rede e até a sua maneira de pensar – como quando  se esquece de como é estar cara a cara com alguém, pois já se habituou ao “cara a cara do skype”. A própria escrita é subvertida ao escrevermos mensagens apressadamente com abreviaturas . E achar que se resolvem os problemas com  posts de descargo de consciência, em vez de recorrer aos amigos verdadeiros que podem realmente ajudar.

Antes, eu era muito mais viciada na tecnologia, ainda mais do que já sou, por um motivo, que se chama facebook. Eu já tive  facebook, e passava demasiado tempo “a dar conversa” a pessoas que nem conhecia bem, em vez de socializar PESSOALMENTE e viver momentos inesquecíveis com os meus verdadeiros amigos. Para a maioria das pessoas que tem facebook o importante é a quantidade de “amigos” que têm, sentindo-se melhor com isso. 300 hoje… 500 amanhã… em que mundo? No virtual… aquele mundo incerto onde os amigos perdem qualidades, onde amigo é qualquer pessoa que fale connosco quando estamos tristes e vulneráveis, à procura de companhia no chat. Esses não são amigos, são “ciber-amigos”, pessoas que pensamos que podem ser confiáveis, mas que provavelmente, quando chega a hora de ajudar não estão lá para nós, ao contrário dos nossos colegas, familiares ou vizinhos.

Quando tiramos selfies ou até mesmo fotos do nosso pequeno almoço e postamos no instagram, quando trocamos palavras com pessoas que não conhecemos bem, postamos estados furiosos no facebook, fazemos webcam com os amigos, estamos a dar pequenos passos para um futuro onde socializar pessoalmente estará fora de questão, onde viver a vida significará navegar grande parte do nosso tempo na web, onde ser feliz significará fazer scroll-down ou scroll-up no nosso feed de notícias. Eu não quero viver nesse mundo e vocês também não … Tudo deve ser utilizado com conta peso e medida.

Beatriz Ventura

A Geraçao do Séc. XXI

Vivemos no século XXI, não vivemos? Portanto, acho completamente normal o meu quotidiano estar infestado de mediação digital. Porém, eu faço parte do que muitos chamam “A Geração Milênio”, portanto, como é óbvio, a minha opinião já está inclinada para o de não ficar incomodada com o “ataque” de tecnologia no meu dia-a-dia.

Têm de perceber, isto já é uma coisa implantada na minha mente ainda em desenvolvimento.

Então que não é, ao sair de casa, a primeira coisa que tenho de ter comigo é o meu telemóvel! Parece esquisito, sim, mas este pequeno retângulo eletrónico já faz parte das necessidades da minha geração arrogante e narcisista.

Contém tudo o que os nossos cérebros de peixe dourado não conseguem reter: os números de contatos precisos num caso de uma emergência (seja esta emergência grave ou não, como, por exemplo, telefonar à Sofia que vi o Jorge a beijar a Daniela quando este esteve com ela na noite anterior, este caso sendo claramente um dos mais gravíssimos); e todos os apps que precisamos para sobreviver (o twitter, para desabafar os nossos pensamentos passivo-agressivos do que falar com a pessoa com que estamos zangados; o instagram, para fotografar a nossa vida, assim dando uma ideia ilusória que somos melhor do que os outros, quando, na verdade, não o somos nem um bocadinho; o facebook, para saber quem já ficou sem namorado/a e quem voltou para o sacana que não parava de insultar, fingindo que está tudo bem com atualizações de estado ridículas; e, às vezes, também o tumblr, para ver as mensagens mais recentes de anon hate, com tanta má gramática que fazia qualquer professor chorar).

Tudo isto porque – pelo marketing que dão – é para ter uma comunicação mais significativa com os que estão distantes.

Porém, mais à noite, quando os barulhos de um mundo atarefado e complicado tornam-se silenciosos, e estou deitada na minha cama, às escuras, com uma cabeça que gosta de pensar demasiado, pergunto-me a mim mesma:

– Se tudo isto é criado para tornar-me mais social, porque é que eu sinto-me cada vez mais sozinha?

Carolina Gonçalves

Sempre ligados ou não?

Será que somos assim tão desligados das redes como às vezes dizemos que somos?

Se calhar a pergunta agora é diferente. Será que conseguimos realmente estar desligados?

Ao observar os vídeos aos quais assistimos na aula tomamos consciência de que talvez já estejamos tão habituados a que tudo à nossa volta seja tão digital que nem nos apercebemos que estamos, com este mundo digital a perder muita da nossa humanidade.

Nos vídeos é nos apresentada a realidade do mundo de hoje, um mundo no qual ligamos mais ao que as pessoas metem no facebook e nos gostos que temos nas nossas fotos em vez de no que realmente importa O CONVIVIO. Eu não estou a dizer com isto que as redes sociais são horríveis e que não deviam existir, quero apenas dizer que devíamos dar mais importância ao que os nossos amigos e familiares nos dizem em vez de um gosto.

Eu nunca fui muito fã das redes sociais mas também nunca tive uma opinião delas tão negativa como tem Prince Ea, sendo que o vídeo que ele fez sobre as redes foi o que mais me impulsionou a escrever sobre o tema. Concordo com ele no facto de passarmos muito tempo ligados mas também acredito que a Humanidade aprende com os erros, sem erros nunca seriamos capazes de crescer e evoluir.

Mas de uma coisa tenho a certeza as redes sociais podem ter muitos defeitos mas tambémm muitas qualidades, como por exemplo, no outro dia vi uma entrevista na televisão sobre duas irmãs que nunca se tinham conhecido e que através do facebook conseguiram contactar-se, também o skype tem as suas vantagens é ridículo usa-lo para falar com alguém com quem se pode falar pessoalmente mas muitas das vezes é utilizado para falar com familiares que estão longe de nós e poder vê-los.

Por estes motivos na minha opinião sim, nós estamos demasiado tempo ligados mas também muitas das coisas que usamos on-line têm o seu lado benéfico. Eu acredito que a tecnologia é importante e benéfica apenas temos de aprender a usa-la melhor.

Filipa Silva

Prince Ea, Can We Auto-Correct Humanity?

Breaking Google’s grip

AlJazeera_ListeningPostDec2014

 


Calendário

Fevereiro 2015
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  

Estatística

  • 939.787 hits

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.230 outros seguidores